O lado negro da força

Lembrei-me de um dia em que perdi a razão, enlouqueci. Reclamei na rua, atropelei um carro abusado no trânsito, mostrei o sinal fechado para o motorista do ônibus, com dedo em riste, arrastei minha cachorrinha por quilômetros de calçadão, caminhei de cara fechada, não dei conversa para quem fazia gracinhas para minha fofa, continuei firme em minha decisão de andar para espantar demônios. Voltamos. Desafiei a Lei e deixei-a solta na areia, sabendo que um banho seria imperativo mais tarde, buscava a repreensão policial, mas ninguém estava à vista. Ai, acho que enlouqueci. Faz tempo.

Anúncios

A boa-fé

A boa-fé cansa. A boa-fé causa problemas. De boa-fé assinei um contrato em que se tudo desse errado para eles, eu pagaria; se tudo desse errado para mim, voltaríamos para o zero. Com boa-fé Marluce fez amizade eterna com Cacilda, louca de pedra, e eu disse: “ela é louca”. Alguns anos depois, a louca virou pedra e Marluce saiu correndo. De boa-fé Ariadne trouxe remédios que não precisam de receita no exterior, e prolongam a vida sofrida de Emília, que tem uma doença incurável, e foi presa pela PF por contrabando de substância proibida pela Anvisa. A boa-fé causa prejuízos emocionais. A boa-fé constrange. Com boa-fé Sofia viajou com uma infecção no pé e medicada. Perdeu parte da viagem, poderia ter perdido o pé ou a vida. A boa-fé provoca medo. A boa-fé faz com que eu acorde acreditando que o dia seguirá seu fluxo honesto, contanto que eu me aliene das notícias dos jornais. A obrigatoriedade faz com que eu vote, porque aí não mais existe boa-fé. A necessidade faz com que eu gaste horas ao telefone com funcionários maltreinados de empresas de serviços, porque aí nunca houve boa-fé. A boa-fé dá trabalho. No entanto, a boa-fé nasceu comigo, cresceu em mim enquanto eu emprestava as bonecas, brincava com as amigas e trabalhava em equipe. A boa-fé fez de mim uma pessoa apatetadamente crente de que o bem prevalecerá. A boa-fé cansa.

No dicionário

Tudo é intenso, que tem muita força, veemente.

Ah, a força! Sendo forte, é valente, robusto, substancioso, sólido, rijo, consistente. Enérgico. Pode-se dizer também vigoroso, decidido e resoluto; diligentemente ativo.

Ah, O ativo! Aquele que atua, progride, não interrompe. A não ser que o sono chegue. Ou que o zelador tranque a porta.

Sendo veemente, é impetuoso, violento, intenso, caloroso, entusiástico, frenético, fervoroso, animado, arrojado. Após duas garrafas de espumante ou nenhuma.

Se, no entanto, for arrojado pode despertar o audaz e destemido, passar o dia valente, ousado, e valoroso. Chegar à tarde arrebatado, fogoso, impetuoso, como um namorado.

Contudo se houver surpresa, sentirá um sobressalto proveniente de um caso imprevisto e rápido; experimentará admiração, pasmo e espanto. Anoitecerá um prazer com que não contava, um acontecimento repentino. Será o prazer inesperado.

Tudo nos dicionários. Tudo na vida. Um dia após o outro. Surpresa após surpresa. Espera após espera. Encontro e reencontro.

 

90 minutos

Quando me avisaste, “chegarei amanhã”, comecei a pedir: “céu, não chora”. Queria que visses o Rio em sua beleza plena de dezembro. Queria que fosse um dia luminoso, ensolarado, com a quentura dos trópicos, mas não foi possível. Choveu um pouquinho. Fui ao teu encontro, vi teu mesmo sorriso tímido e ouvi tua voz mais calma. No entanto, noventa minutos passaram voando em nossa conversa sem ecos de gerúndio e quanto mais falávamos, menos dizíamos. Esqueci de te perguntar qual a música que ouves agora, como é o nome daquela praia na foto, quem são teus amigos mais chegados, o que lês, de que filme gostas, qual será o título do livro que ainda não escreveste. Não contei de meus amigos, do retorno de momentos alegres, dos meus gostos. Falamos de aviões, de contratos, editoras e carnaval. De vida longe e, muito rapidamente, de vida vivida. Falamos de saudade, que me fez sentir mais saudade. Pressa, pressa, pressa, pena. Promesteste que voltarás. Dois-três, cinco-seis, nove-dez dias. Volte. E me traga a foto da Romênia.

#descobri-me careta. Será?

Fui à banca de jornais com o objetivo de comprar uma revista para meninas pré-adolescentes, entre 9 e 12 anos. Eu queria algo escrito em português, com assuntos para essa faixa etária, de preferência falando sobre o Brasil, seus ídolos, jeitos e vaidades. Quase tive um treco. Não existe.

Na realidade, o assunto que fez toda a diferença foi sexo e como ele é tratado em publicações para meninas. Enquanto eu buscava algo como “eu gosto de um garoto, o que faço para ele saber?” ou ” eu e minha melhor amiga gostamos do mesmo menino” ou ainda “ainda não dei meu primeiro beijo”, eu só encontrava dúvidas do gênero “perdi minha virgindade com 14 anos”, “quero transar com um garoto três anos mais velho”, “posso me masturbar sem perder a virgindade?” e por aí caminhava a meninada.

Fiquei realmente incomodada: então, minha sobrinha de 9 anos vai sair de Magali e Cebolinha para isso? Direto? Se ela quiser ler revistas com fotos de seus ídolos adolescentes, saber qual a cor de esmalte foi lançada, ver qual a bolsa da moda, ler sobre lançamentos de livros e filmes para ela, eu vou ter que arrancar a página sobre sexo? O que pergunto é: de 9 ela pula para 14 anos direto? Não há um termo do meio?

No meu entender, como ela vai ler sobre transas e camisinhas ANTES de ler sobre interesse, romance e beijo? Então na escola ela leria Henry Miller antes de Monteiro Lobato? Com a banca cheia de revistas, não existe uma só totalmente apropriada para seus anos pré-adolescentes?

Nunca fui careta, nem santa, mas cada coisa tem seu tempo, não? Acho que está faltando revista de menina para meninas do tempo dela.

Alguém quer me contratar?

Ontem almocei com uma amiga e passamos boa parte do tempo comentando o péssimo serviço que as empresas prestam ao consumidor no Brasil. Esse tem sido um tema tão presente nos últimos tempos que de duas, uma: ou os serviços têm piorado em nosso país, ou estamos – os consumidores – percebendo que o nosso direito é maior do que aquilo que efetivamente recebemos.

Há uns sete anos atrás, entrei com uma ação no Procon contra um cartão de crédito Unibanco. Eu queria pagar, mas eles não queriam receber. Por mais incrível que isso possa parecer. É que era mais vantajoso para eles continuarem a cobrar juros sobre juros – e ganhar a longo prazo – do que negociar comigo e receber logo. E eu não queria dever e sujar meus nome e cpf. No dia da conciliação, apareceu um caixa da agência de Friburgo – isso aconteceu quando eu morava lá – informando que ele seria o representante do banco. Naquela manhã, o jurídico do banco havia enviado um e-mail para o gerente da agência, obrigando o comparecimento de algum funcionário. O advogado não se deu ao trabalho de subir a serra e o gerente da agência devia estar na hora do café. Portanto, lá foi um meninote de uns 15 anos – juro que era quanto ele aparentava – representar o banco em mais uma briga na Justiça. Meu advogado chegou a perguntar se o rapaz teria algum poder de negociação e ele respondeu que não. E ainda contou-nos que para o banco tanto fazia, a quantidade de cliente-consumidor que seguia em frente para uma ação na justiça era muito pequena, a maioria desistia por causa da burocracia e do tempo precioso que tal atitude tomaria. Era mais barato para o banco “fechar” os olhos e esperar alguém reclamar e reclamar porque até cair na Justiça, o banco sairia ganhando. Sempre. Fiz o acordo rapidamente, afinal eu queria era pagar a conta para encerrar o caso e me arrependi de não ter ido em frente para a próxima etapa que seria o Tribunal.

Casos como esse continuam acontecendo. Minha amiga do almoço contou que comprou uma geladeira frost free de mil e quinhentos reais que deu problema desde o segundo dia. O técnico deve ter se enamorado por ela ou pela geladeira, pois já a visitou nove vezes. Na última vez, proferiu a pérola: a geladeira frost free só pode ser aberta duas vezes ao dia (!) A geladeira segue errática pelo submundo do degelo automático… Nada é resolvido.

Ontem mesmo à noite, fui com minha mãe a uma loja Folic. Veja: ganhei de presente de aniversário uma blusa da qual não gostei. Meu aniversário foi há 24 dias atrás. Entramos na loja e falei para a vendedora que nos atendeu que eu gostaria de efetuar uma troca. A vendedora perguntou se havia sido um presente. Respondi que sim. Ela olhou bem a blusa, verificou que a etiqueta da roupa estava no lugar e proferiu a pérola: vou ter que ligar para pedir uma autorização especial porque já se passaram dez dias (!) da data da compra. Eu respondi, já aborrecida, que ela fizesse isso e conseguisse a resposta porque, conforme fosse, eu tiraria ali mesmo o vestido novo que eu estava usando, da Folic, e iria pelada pelos corredores do shopping dizendo que aquilo era culpa da loja. Quando ela desligou o telefone, disse outra pérola: que “eles” (nem ousei perguntar quem seriam “eles”) estavam abrindo uma exceção (por que exceção? e por que para mim? “eles” me conheciam?) e eu poderia trocar a roupa. Aquela resposta me embrulhou o estômago e comentei com mamãe o assunto do almoço – o cliente não precisaria passar por determinadas situações, se os atendentes fossem bem treinados e orientados.

Comecei a olhar tudo com muita má vontade, eu queria era sair dali correndo, até que veio uma outra moça, imaginei que fosse a gerente, com outro tom de voz, outra postura, e começou a tentar salvar o que estaria perdido com a boboca anterior. Resultado foi uma troca em que a loja vendeu mais 130 reais. Nada mau para uma quarta vazia, não?

No século XIX, em meu primeiro emprego em uma loja Cantão, a lesson 101 era que cliente quando entrava para fazer troca era oportunidade de venda. Caramba! Quase trinta anos depois tem gente que ainda não descobriu isso!

A Tecval, empresa de consertos de eletrodomésticos, desde 29 de março embroma, marca, dá o cano, me faz perder tempo para consertar uma lava-louça que já encharcou a cozinha três vezes após a saída do técnico. Eles marcaram – mais uma vez – para ontem a partir das 13 horas. O técnico chegou hoje às 16, após seis telefonemas meus. Cinco minutos depois dele chegar, a Central o chamou pelo rádio, falando sobre uma cliente – que pela descrição inicial de fogo nas ventas, achei que era eu – que tinha todas as ligações gravadas, tudo anotado e ia partir para a briga. Ele respondeu que às 17 horas estaria na casa dela. Eu, que estava sentada em frente a ele como uma estátua e de onde só levantei quando ele deu boa noite ao sair, olhei o relógio que marcava 16h10. Pensei: mais uma cliente que vai ficar esperando à toa. Era óbvio que ele não conseguiria chegar 50 minutos depois na casa dela, nem que ela fosse minha vizinha de andar. Passados quinze minutos, o rádio dele tocou novamente com a informação que a cliente não esperaria mais. Ele marcou a visita para amanhã às 11 da manhã. Será que vai cumprir?

O conserto que ele fez aqui foi o que ele deveria ter feito semana passada, se eu não tivesse desgrudado dele como fiz hoje. Era um balanceamento na máquina, que tem que ficar em uma determinada inclinação e a ligação de um plug interno. Eram 18h15 quando ele saiu porta afora, depois de mais de duas horas de conserto e teste para ver se tudo funcionava. Sob meu olhar atento, que nem pisquei enquanto ele esperava. Aprendi que não podemos nos afastar quando um “técnico” – tem que ser entre aspas – está tentando achar o defeito em alguma coisa na casa.

Em outro post vou comentar as Centrais de atendimento ou call center.

Será que morro de fome ou enriqueço se me oferecer como professora de atendimento ao cliente? Alguém quer me contratar?

Um dia especial

“Foi um dia memorável, pois operou grandes mudanças em mim. Mas isso se dá com qualquer vida. Imagine um dia especial na sua vida e pense como teria sido seu percurso sem ele. Faça uma pausa, você que está lendo, e pense na grande corrente de ferro, de ouro, de espinhos ou flores que jamais o teria prendido não fosse o encadeamento do primeiro elo em um dia memorável.”

Charles Dickens – Grandes Esperanças

 Li o Xexéu hoje. Não li o livro ao qual ele se refere no texto, nem vi o filme, que ainda não foi lançado, mas passei o dia todo tentando imaginar qual seria o meu dia especial. Aquela data que teria mudado tudo em minha vida. Não cheguei a nenhuma conclusão, mas cheguei a um número, o mesmo dia em meses e anos e séculos diferentes: Dia 18 de junho casei. 18 de outubro me apaixonei perdidamente. 18 de maio me reaproximei. 18 de abril ganhei um irmão. 18 de janeiro me formei. 18 de agosto separei. 18 de fevereiro pulei carnaval. 18 de dezembro pedi demissão. 18 de março comecei uma pós. 18 de setembro dancei até o sol raiar. 18 de julho foi o dia mais frio. 18 de novembro viajei. Em outro 18 de maio, Shee Marie nasceu. Em outro de junho, ganhei um relógio. No de fevereiro, vi o último fime com papai. Em abril, comecei a escrever. 18 de agosto nasceu minha irmã. 18 de janeiro acordei inebriada. 18 de junho pulei a fogueira. Em dezembro viajei para não voltar. 18 de setembro velejei em alto mar. 18 de outubro subi a serra. 18 de março recordei. Em julho, meus sobrinhos nasceram. 18 de novembro cozinhei para toda a família. E ainda, 18 de agosto namorei. 18 de janeiro caminhei na praia. 18 de outubro comemorei. 18 de abril fui à livraria. 18 de julho fui ao cinema. 18 de fevereiro jantei sozinha. 18 de dezembro ri até cair. 18 de junho pensei em estudar mais. 18 de setembro ouvi música. 18 de março, aula imperdível. 18 de novembro dirigi até o aeroporto. Foi em um 18 de julho que acordei. Em um 18 de setembro que revivi, um 18 de novembro me fez acreditar novamente, um 18 de janeiro planejei férias divertidas. Finalizando, no 18 de janeiro mergulhei em Ipanema, 18 de fevereiro assisti a um musical, 18 de março chorei de saudade, 18 de abril preparei documentos, 18 de maio encontrei amigos, 18 de junho ainda não chegou. Foram tantos 18, foram tantos dias especiais e em cada um deles eu disse sim para um caminho, sabendo que para o outro seria não. E cada sim dito traçou minha vida até aqui, até agora.