Florbela

Este ano ganhei de meu primo-Rico o passaporte do festival de cinema do Rio, foram 427 sinopses lidas, cinquenta filmes escolhidos e 28 assistidos. Conseguimos fazer uma maratona digna de anotação e de nota. Ele conseguiu ver mais filmes, alguns que eu gostaria de ter assistido mas não consegui. Dos 28 que assistimos juntos não gostamos de … Continue lendo Florbela

Praia do Caju – Ferreira Gullar

Escuta: o que passou passou e não há força capaz de mudar isto. Nesta tarde de férias, disponível, podes, se quiseres, relembrar. Mas nada acenderá de novo o lume que na carne das horas se perdeu. Ah, se perdeu! Nas águas da piscina se perdeu sob as folhas da tarde nas vozes conversando na varanda … Continue lendo Praia do Caju – Ferreira Gullar

O XV de Camões

Busque Amor novas artes, novo engenho Para matar-me, e novas esquivanças; Que não pode tirar-me as esperanças, Que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Pois não temo contrastes nem mudanças, Andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas conquanto não pode haver desgosto … Continue lendo O XV de Camões

Rainer Maria Rilke – Cartas a um jovem poeta

"A senhora é tão moça, tão aquém de todo começar que lhe rogo, como melhor posso, ter paciência com tudo o que há para resolver em seu coração e procurar amar as próprias perguntas como quartos fechados ou livros escritos num idioma muito estrangeiro. Não busque por enquanto respostas que não lhe podem ser dadas, … Continue lendo Rainer Maria Rilke – Cartas a um jovem poeta

Dante Milano, tercetos

Eu sou um rio, a água fria de um rio. profundo, cabe em mim todo o vazio, Um reflexo me causa um calafrio. Sou uma pedra de cara escalavrada, Uma testa que pensa, e sonda o nada, Uma face que sonha, ensimesmada. Sou como o vento, rápido e violento, Choro, mas não se entende o … Continue lendo Dante Milano, tercetos

Manuel Bandeira, Rio de Janeiro

Louvo o Padre, louvo o Filho E louvo o Espírito Santo. Louvado Deus, louvo o santo De quem este Rio é filho. Louvo o santo padroeiro - Bravo São Sebastião – Que num dia de janeiro Lhe deu santa defensão. Louvo a Cidade nascida No morro Cara de Cão. Logo depois transferida Para o Castelo, … Continue lendo Manuel Bandeira, Rio de Janeiro

Três Grandes sobre Lisboa

Domingos Amaral, Enquanto Salazar dormia...“...nessa Lisboa que estava fora e dentro dela ao mesmo tempo. Local único na Europa, linda e cheia de luz, mas também de medo, a Lisboa onde vivi tanto que, por mais que viva, e muito tempo depois, nunca mais vivi como ali, aqui, nesta Lisboa.”“... Não podem compreender um dos … Continue lendo Três Grandes sobre Lisboa

Fernando Pessoa, A Felicidade exige valentia

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes mas, não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e posso evitar que ela vá à falência.Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.Ser feliz é deixar de ser vítima … Continue lendo Fernando Pessoa, A Felicidade exige valentia

Friedrich W. Nietzsche – Das Três Metamorfoses

Três metamorfoses, nomeio-vos, do espírito: como o espírito se torna camelo e o camelo, leão e o leão, por fim, criança. Muitos fardos pesados há para o espírito, o espírito forte, o espírito de suportação, ao qual inere o respeito; cargas pesadas, as mais pesadas, pede a sua força. “O que há de pesado?”, pergunta … Continue lendo Friedrich W. Nietzsche – Das Três Metamorfoses