A boa-fé

A boa-fé cansa. A boa-fé causa problemas. De boa-fé assinei um contrato em que se tudo desse errado para eles, eu pagaria; se tudo desse errado para mim, voltaríamos para o zero. Com boa-fé Marluce fez amizade eterna com Cacilda, louca de pedra, e eu disse: “ela é louca”. Alguns anos depois, a louca virou pedra e Marluce saiu correndo. De boa-fé Ariadne trouxe remédios que não precisam de receita no exterior, e prolongam a vida sofrida de Emília, que tem uma doença incurável, e foi presa pela PF por contrabando de substância proibida pela Anvisa. A boa-fé causa prejuízos emocionais. A boa-fé constrange. Com boa-fé Sofia viajou com uma infecção no pé e medicada. Perdeu parte da viagem, poderia ter perdido o pé ou a vida. A boa-fé provoca medo. A boa-fé faz com que eu acorde acreditando que o dia seguirá seu fluxo honesto, contanto que eu me aliene das notícias dos jornais. A obrigatoriedade faz com que eu vote, porque aí não mais existe boa-fé. A necessidade faz com que eu gaste horas ao telefone com funcionários maltreinados de empresas de serviços, porque aí nunca houve boa-fé. A boa-fé dá trabalho. No entanto, a boa-fé nasceu comigo, cresceu em mim enquanto eu emprestava as bonecas, brincava com as amigas e trabalhava em equipe. A boa-fé fez de mim uma pessoa apatetadamente crente de que o bem prevalecerá. A boa-fé cansa.

Até o próximo carnaval

Carnaval sempre foi assunto sério em família. Brincamos o carnaval desde pequenos, em suas mais diferentes formas, blocos de rua, bailinhos de salão, escola de samba, festa em casa. Papai inventava blocos que nunca saíam de sua imaginação e de sua gaiatice: BBMB foi o Bloco dos bolas murchas das Braunes, um bloco implicante com filhos e sobrinhas adolescentes que sambavam nos bailinhos até o dia amanhecer, seguiam para a canja da sustância, no restaurante do clube, e passavam o dia dormindo, restabelecendo forças para a noite seguinte. Empurra que pega veio depois, ninguém empurrou, o bloco não pegou e ninguém saiu das brincadeiras em casa. Meu padrinho não viajava para férias em família sem o timbau, muitos anos antes do instrumento correr mundo no ritmo da timbalada. Batucava e fazia contraponto com a mão da aliança, era um som único para nós. Eu cresci com o rock na cabeceira, mas carnaval era outra coisa, outro momento, era a nossa folia. Alguns anos depois, papai foi o chef que preparava os melhores sanduíches para depois dos ensaios do Suvaco do Cristo, aos domingos, no Horto. Mangueirense, torcia pela escola como para o próprio time de futebol, sempre com muita parcialidade, chegou a ligar para mim, de férias no México, só para dizer que Mangueira havia sido a campeã daquele ano.

Vivi outros carnavais divertidos em ensaio da Portela, no ensaio do Salgueiro com Bono na pista e meus amigos tentando o suicídio coletivo por insolação ou correndo atrás da calota perdida em direção a Tiradentes em carnaval já relatado aqui. Sassaricando na Glória e com Monobloco na Cinelândia. Vivi muitos carnavais, sinto saudades deles e anseio pelo próximo em que estarei presente.

Faz dois anos que o carnaval passa pela esquina e não me carrega. Vejo a alegria do povo nas ruas, me divirto com algumas fantasias, torço para a chuva não estragar a festa, escolho um livro e fico quieta no meu canto. Quem sabe o próximo me arrebatará.

A música de um carnaval distante

Quem é você?

‑ Adivinha, se gosta de mim!

Hoje os dois mascarados
Procuram os seus namorados
Perguntando assim:

‑ Quem é você, diga logo…
‑ Que eu quero saber o seu jogo…
‑ Que eu quero morrer no seu bloco…
‑ Que eu quero me arder no seu fogo.

‑ Eu sou seresteiro,
Poeta e cantor.
‑ O meu tempo inteiro
Só zombo do amor.
‑ Eu tenho um pandeiro.
‑ Só quero um violão.
‑ Eu nado em dinheiro.
‑ Não tenho um tostão.
Fui porta-estandarte,
Não sei mais dançar.
‑ Eu, modéstia à parte,
Nasci pra sambar.
‑Eu sou tão menina…
‑ Meu tempo passou…
‑ Eu sou Colombina!
‑ Eu sou Pierrô!

Mas é Carnaval!
Não me diga mais quem é você!
Amanhã tudo volta ao normal.
Deixa a festa acabar,
Deixa o barco correr.

Deixa o dia raiar, que hoje eu sou
Da maneira que você me quer.
O que você pedir eu lhe dou,
Seja você quem for,
Seja o que Deus quiser!
Seja você quem for,
Seja o que Deus quiser!

O som de um carnaval distante

Digi (58)

A luz do Tom

a luz do tomEstreia hoje o novo documentário de Nelson Pereira dos Santos sobre Tom Jobim, complementação, com fino acabamento, do filme do mesmo diretor,  que assistimos em 2012 sobre o maestro. Enquanto no primeiro filme tivemos um recorte de momentos do Rio e da carreira de Tom, embalados por sua música,  no segundo travamos conhecimento de histórias por meio de três mulheres fundamentais em sua vida: Helena, Teresa e Ana.

Algumas dessas histórias estão na biografia escrita por sua irmã Helena, mas recebem novo tratamento quando levadas pela câmera para a tela do cinema. Fica fácil o teletransporte para um Rio que não existe mais e para a companhia do compositor da trilha sonora da vida de muita gente, inclusive da minha.

Em um momento em que o Brasil desperta para apreciar a vida de grandes nomes, com vários documentários interessantes e fundamentais para o registro da nossa história, é essencial assistir A Luz do Tom, uma poesia filmada pelo mestre do cinema nacional, que nos proporciona momentos de relaxamento e prazer, conhecimento e reconhecimento.

Um domingo acolhedor

Sabe aquele domingo que não é verão mas já está quente, que você olha para o armário sem saber o que vestir, e fica na dúvida se leva, de novo no braço, o casaco para passear?

Sabe aquele domingo em que o mundo invade as praias da cidade, em que línguas variadas são ouvidas no mercado, e você fica na dúvida de que sorvete comprar?

Sabe aquele domingo em que o maior dilema a ser resolvido é se sobe no táxi que conduzirá à melhor companhia ou se deita na rede que você não tem pendurada na varanda que não existe?

Sabe aquele domingo em que você é recebida de braços abertos por amigas queridas, em que joga conversa para dentro, bebe cerveja e se delicia com moqueca de peixe feita na hora por mãos de fada?

Sabe aquele domingo em que a conversa flui, mas se ficar em silêncio ninguém reclama, em que você se sente tão acolhida que poderia tirar uma soneca no sofá?

Pois é, todos os dias poderiam ser domingos assim.